segunda-feira, 24 de outubro de 2016

eu queria beijar-te hoje
que te adivinho triste
e por saber da razão
mais beijos em jeito de raiva te queria dar
como se esses meus beijos
te resgatassem a alegria que o teu sorriso me consegue sossegar

e

para te beijando
primeiro a face
depois a boca pulsante do sangue
que lhe dá aquela cor

sentir as pestanas
que resguardam
esse teu olhar triste,
pousando-lhes mais um beijo

que
saindo acompanhado na descida da minha mão ao teu ventre,
calmo e quente,
escolhe em tempo subtil a perna por onde me perco em desejos arruinadores da minha razão.

eu queria beijar-te hoje
sabendo-te noutra tristeza
que não essa que te engana a felicidade
sabendo-te noutra tristeza,
a dos beijos que não tenho coragem de te dar.





4 comentários:

MEM disse...

De tudo o que tenho lido ao longo da vida, poucos foram os textos que me deixaram em silêncio, sem qualquer vontade de proferir o que quer que fosse. Um desses foi " Morreste-me " de José Luís Peixoto sobre o qual fui incapaz de falar durante meses; entrou de tal maneira na minha intimidade que se colou à realidade que , na altura, estava a vivenciar. Este teu poema provocou em mi exatamente o mesmo efeito :de tão íntimo, de tão teu, entrou no mais profundo de mim e deixou-me em silêncio desde o primeiro minuto em que o li e bebi. De tão íntimo, de tão teu, achei que contigo devia partilhar a minha emoção passada, sempre presente e futura, mas neste recanto de intimidade como que querendo escondê-la de todos os demais. Como querendo torná-la só minha sem qualquer ruído que a faça desaparecer. Obrigada por me teres provocado este sentimento triste mas pacificador. Um abraço

a paixão de anna disse...

MEM, o silêncio por vezes pede um leve ruído. obrigada pela boa decisão de partilha dessa emoção, a mesma emoção comoção que me fez escrever este poema de um fôlego só, capaz de diluir a dureza destes dias tornando-os, ainda assim, bonitos. um forte abraço.

pesnosofa.com disse...

tão bonito...

a paixão de anna disse...

obrigada pés no sofá, Rui ;)